6 de fev de 2012

Memória


Por preguiça, eu só sonho com você em preto e branco. E nessa sucessão de imagens monocromáticas nas minhas madrugadas, seu sorriso aparece meio torto, meio disforme, meio apagado. Não mais o tenho tão nítido na memória e tenho pra mim que ele se tornará um borrão irreconhecível na dança dos frames sem cor com o passar dos dias, tal como um rosto de um desconhecido que só existe em sonhos - será você esse desconhecido que só existe em sonhos?. Mas não me importo em ver seu sorriso dissolvido. Porque ele - sorriso torto, disforme e apagado - mesmo quase desaparecido, povoa todos os buracos em branco da minha cabeça atormentada pelos pesadelos - esses eu sonho sempre em cores, e é sempre cores muito vivas - e me preenche um pouco. E me faz as horas menos largas. E me traz os dias mais acreditáveis. Desde que te conheci só sonho em preto e branco, mas agora acho que não é por preguiça. Sonho em preto e branco porque o seu sorriso - torto, disforme e apagado - é bonito demais pra ser colorido só pela minha memória.

4 comentários:

thiê disse...

você me arrepia.

Por que você faz poema? disse...

E eu que tenho sonhos em super-8?

Vívian Machado disse...

Nunca sonho em cores.
Quer dizer, então, que a vida é bonita demais pra mim?
Faz sentido, muito sentido!

Anônimo disse...

algo; bem neste texto, bem em algum sentido que escorreu em minha consciência, penetrando em todos os poros vazios do sentido que a vida (não) dá, e que, agora, toma conta de mim; me completou.