8 de mai de 2009

Entre outras coisas

I

Ele tá sentado na beirada da cama, fumando como se fosse acabar o mundo. Você olha pra ele e tenta gravar aquela cena na cabeça, pra lembrar melhor depois, mas você nem precisaria olhar mais uma vez pra saber que lembraria. Ele era tão sério fumando! Você abafa uma risada, sabe que não faz sentido, que não tem graça, mas você não consegue imaginar como alguém consegue fumar tão sério daquele jeito, é engraçado. Ele olha pra você de lado, você morde os lábios e se faz de séria, droga, ele sabe que você tava prestando atenção nele, e você explode em risos, e se joga nos lençóis com falta de ar, efeito do álcool, ou você é mesmo tão boba assim? Não devia ter bebido tanto vinho meu deus, você pensa, mas não se importa mais, ele largou o cigarro e está vindo manso na sua direção, que olhos são aqueles? Azuis ou verdes? Não importa mais, eles agora estão fechados, ele te beija e a barba dele tem cheiro de fumaça e maçã. Ele te beija mais, e mais, e a barba dele desce percorrendo seu corpo, faz cócegas e te lembra uma esponja de banho. Uma esponja, você ri e ele pergunta se você disse alguma coisa. Não, pode continuar. Tá tocando uma música triste na rádio, ela te lembra um ex-namorado, mas não por ser triste. Mas porque ele cantava toda errada. E nessa hora te dá uma vontade enorme de fumar, você não sabe porque mas dá, e você nunca fuma. Me dá um cigarro. O quê? Ele não escuta. Um cigarro. Ah sim. Ele acende e te entrega, você levanta nua e encosta na janela, olha pros carros na avenida, tudo muito movimentado, quantas luzes, é por isso que vive faltando água, você comenta. E você fuma como se fosse acabar o mundo. Ele ainda tá sentado na cama olhando pra você, e agora você não vê mais nenhuma graça nele. Você apaga o cigarro, veste suas roupas e sái. Não sem antes perguntar o nome dele.


II

Aquela festa tá barulhenta demais, quente demais, e cheia demais. Você quer ir embora, mas não vai. É quando você o vê. Ele é engraçadinho, você pensa. Magro, deve ser bem novo, aquela barba não engana. O cabelo encaracoladinho é um charme, os óculos também, não mais que a cara de tonto. Ele fuma. Você pergunta se ele tem isqueiro, e você nunca fuma. Ele lhe dá o cigarro, você recusa. Você puxa ele pro canto e dá um beijo. Dois. Uns amassos, vá lá, ele é gostosinho até. Vamos dar uma volta? Você pega ele pela mão. Ele é engraçadinho. Você andam pelas ruas de mãos dadas, quanto tempo você não anda de mãos dadas? Sentia falta disso, ele daria um ótimo namoradinho. Era discreto, aquela barba era um charme, e a cara de bobo era a cereja do bolo. Você pergunta se ele tem namorada. Ele diz que ela se chama Carmem. Você pergunta se a Carmem é bonita, mas nem espera ele responder. Vocês já estão no quarto, ele tem mesmo duas mãos? Rápido mesmo, você nem chega a gozar. E ele já está fumando de novo.


III

Você anda depressa pela rua, aquelas luzes te incomodam de um tanto, que dá vontade de ser cega. Que horas eram? Não é possível que tenha tanta gente na rua ainda, era cedo assim? Você pensa com raiva, malditos carros, mas você queria mesmo era ter um pra não precisar voltar de ônibus pra casa. O menino não tinha, será que ele tinha mesmo 18 anos? Você nem lembra o nome dele, passa vagamente pela cabeça começar com R, mas a única certeza que você tem é nenhuma, não devia mesmo ter bebido tanto vinho. O ponto está vazio, enfim uma coisa boa aquela noite. O ônibus também chega logo, você sorri pro cobrador e pensa que sua sorte está mudando. Ele sorri de volta, achando que você está procurando ousadia. Idiota. O quê? Essa foto aqui, é sua mulher? Você ainda está sorrindo. E ainda sorri enquanto se senta, idiotas, fala olhando pra a janela. As pessoas realmente precisam de tanta luz assim? Você imagina que viveria bem melhor com pouca luz. Não sou planta. Uma senhora que acabou de sentar ao seu lado pergunta se você falou com ela. Eu disse que não sou planta. A senhora também não é. Ela se benze, e muda de cadeira. Melhor. Será que ela teria um isqueiro? Mas você nunca fuma. É, você pensa, vou começar a fumar.

9 comentários:

Chris Arruda disse...

sÓ vc pra fazer despertar certas coisas!^^
bjo linda

Nana de SouZa disse...

"Não sou planta."

Vc desperta muitas outras coisas em suas linhas =D

Amanda O. disse...

Gostei, irmã! :D

Ana Carolina Maia disse...

criou toda uma cena de filme aí, impecável. parabéns ^^

Maiara. disse...

Perfeito.

Albert Elliot disse...

Perfeito.

Thais disse...

vc é extramente inteligente. Isso está expresso nos seus textos. A inteligência te levará a fazer textos surpreedentes. Eu já te adimiro com certa glória.

Fr_Ribeiro disse...

Gostei.

HBMS disse...

hihihi
ela fez magiquinha qnd coloca o leitor como personagem \^^/

*ainda mais com essa renca de leitores sonhadores :D

..deu até vontade de fumar o-o